Carnaval de jeito cristão
09/02/2018 10:12 em Fé

Carnaval, a vivência da fé cristã e o cuidado com os símbolos religiosos

Carnaval, a vivência da fé cristã e o cuidado com os símbolos religiososPelos próximos quatro dias parte do povo brasileiro estará mergulhado em meio a plumas, paetês, gliter, fantasias; muitas marchinhas, sambas de enredo, axé e alegria. É Carnaval, uma festa que já faz parte da vida cultural do nosso país.

Desfile Unidos de Vila Maria 2017. Foto: Luciney Martins/ O São Paulo

“O Carnaval não é uma festa proibida para os cristãos, o que a Igreja condena são os exageros”, disse padre Jair Rodrigues, de Brusque (SC) durante entrevista a uma rádio local. Pensamento bem oportuno neste período em que boa parte das pessoas se prepara para se divertir durante o feriado. Para o padre, cada indivíduo deve buscar na festa a beleza da confraternização, da alegria sem necessariamente cair nos abusos.

Para o  bispo auxiliar da Arquidiocese de Porto Alegre (RS), dom Leomar Brustolin, numa sociedade como a atual, os cristãos convivem com pessoas que cultivam diferentes valores, crenças e costumes. Essa pluralidade não pode ser um problema para um discípulo de Jesus Cristo que nada antepõe ao seguimento do Mestre.

“Por isso, no Carnaval o cristão evita duas posições: a omissão de quem aceita tudo em nome da alegria do momento, ou a demonização de quem só vê o pecado reinando. O discernimento supõe perceber que a alegria, a convivência, a música e a dança são expressões culturais importantes em todos os povos”.

O livro do Eclesiastes (9, 15ss) a palavra diz: “Por isso louvei a alegria, visto não haver nada de melhor para o homem (…) é isto que o acompanha no seu trabalho, durante os dias que Deus lhe outorgar debaixo do sol”. Já nos Provérbios (2,14-15), o Senhor lembra que há limites, pois são reprovados os “que se alegram por terem feito o mal e se regozijam na perversidade do vício, cujos caminhos são tortuosos e se extraviam por vias oblíquas”.

Durante o feriado do Carnaval é importante o cuidado com a preservação da fé e, principalmente, o cuidado com a vida. Neste período, muitas pessoas aproveitam essa data para extravasarem seus desejos, influenciados pela sensação de ”liberdade”, em que tudo é permitido.

É comum, portanto, vermos nos carnavais a presença do excesso: de bebidas, de drogas, do apelo sexual etc. Tal comportamento vem acompanhado do vazio, da “ressaca moral”. Situações que ocorrem também em outras épocas do ano, não apenas no carnaval.

Dom Leomar ressalta que alguém poderá dizer que é improvável que a maioria dos foliões consiga superar os excessos que são comuns aos festejos carnavalescos. Mas o que é improvável não é impossível. Em diferentes épocas, os seguidores de Jesus precisaram testemunhar que sua fé não os apartava do mundo, tampouco os obrigava a fazer concessões de todo tipo para serem aceitos na sociedade. Tomemos o exemplo da Carta a Diogneto, um escrito do século II que retrata a vida dos seguidores de Jesus naquele contexto: Os cristãos, de fato, não se distinguem dos outros homens, nem por sua terra, nem por sua língua ou costumes. (…) e adaptando-se aos costumes do lugar quanto à roupa, ao alimento e ao resto, testemunham um modo de vida admirável e, sem dúvida, paradoxal.

Segundo a Enciclopédia Larousse Cultural, o termo Carnaval vem do latim medieval carnelevarium, carnilevaria, carnilevamem, que significa “abster-se, afastar-se da carne”. Era um período anual de festas profanas e hoje corresponde ao período de três dias, que antecede a Quarta-Feira de Cinzas, vésperas da Quaresma – período durante o qual é recomendada a prática da penitência e abstinência de carnes vermelhas.

O bispo salienta que num país onde o Carnaval faz parte da cultura, os cristãos compreenderão essa festa como uma oportunidade de expressar que é possível ser feliz sem cometer infidelidades ao ensinamento de Cristo. O paradoxo consiste em festejar a beleza da convivência, sem apelar para os recursos que mascaram a verdade e a bondade que devem marcar a existência humana.

Desfile Unidos de Vila Maria 2017. Foto: Luciney Martins/ O São Paulo

Neste período carnavalesco, é importante ressaltar o respeito aos símbolos religiosos bastante caros aos cristãos católicos, como o crucifixo e a eucaristia. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) já se manifestou em relação ao mau uso desses símbolos. Em nota publicada em outubro de 2017, por ocasião as exposições de arte, a Conferência ressaltou que a fé e arte sempre andaram juntas. E prega mais respeito e tolerância com a fé do povo brasileiro, reconhecido por sua religiosidade, presente em diversas manifestações de norte a sul.

“ Em toda a sua história, a Igreja sempre valorizou a cultura e a arte, por revelarem a grandeza da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, fazendo emergir a beleza que conduz ao divino”, ressalta o texto.

Carnaval Cristão

Muitos os cristãos encontram outra forma de aproveitar o feriado e participam dos chamados “Carnaval com Cristo”. Muitas pastorais, movimentos e comunidades se mobilizam para realizar o “Carnaval Cristão”, espaços onde os fieis manifestam a alegria cristã participando de retiros, encontros, adoração ou outras experiências espirituais.

É o caso do Rebanhão tradicional carnaval católico promovido há 32 anos pela Renovação Carismática Católica do Distrito Federal (RCC-DF). Com o tema: “Retornai ao primeiro AMOR” (Cf Ap 2, 4b), o evento começa no domingo de carnaval (11) e vai até a terça-feira (13), com um programação que envolve missas presididas pelo arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Sergio da Rocha.

Em Fortaleza (CE) de 10 a 13 de fevereiro acontece o Renascer, um retiro de carnaval realizado pela Comunidade Católica Shalom. O objetivo é um “carnaval diferente”, a fim de possibilitar que as pessoas façam uma experiência com a verdadeira alegria, uma experiência com Deus.

Cuidado com a vida

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizará a Operação Carnaval 2018 em todo o Brasil a partir desta sexta-feira (09). A operação Carnaval seguirá até a quarta-feira (14).  O Carnaval é um dos períodos mais críticos do calendário nacional de operações da PRF, pois conta com grande fluxo de veículos nas rodovias federais e o uso abusivo de álcool é uma das principais preocupações do Órgão. Em 2017, a PRF registrou 1.696 acidentes de trânsito durante o carnaval, sendo 323 acidentes graves e 140 mortes.

Finalizando sua reflexão, dom Leomar Brustolin disse que há quem prefira os retiros para passar os dias de carnaval, outros aproveitam para participar de festas promovidas por grupos paroquiais e de movimentos, para se divertirem em ambientes de maior afinidade. E há aqueles que passam esses dias em meio aos demais foliões. Nesse caso, o testemunho cristão dependerá de atitudes concretas que revelam fidelidade a Jesus Cristo. Nada mais estranho para um cristão do que crer e pensar de uma forma, e agir e viver de outra.

“A coerência entre o ser e o fazer do cristão se manifesta tanto na dor quanto na alegria, por isso, nem mesmo o Carnaval pode impedir o testemunho da fé de um discípulo”, destaca.

Agora, aquela velha e boa dica de sempre: Se beber, não dirija! Curta o Carnaval com responsabilidade.

Fonte: CNBB

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!